Meu melasma: o que tenho feito para conviver com ele

Olá lindonas!!!

Quero fazer uma sessão aqui no blog sobre melasma, pois como eu, sei que tem muita gente que sofre com essas temidas manchas.

Vou começar contando quando e como ele surgiu.

Bom, tenho a pele bem oleosa e sempre tive muitas espinhas, em 2013 quando me formei em engenharia civil, fui pra uma obra no Norte do Brasil, no estado do Pará, como o clima lá é bem quente e úmido, minhas espinhas pioraram muito.

Para trata-las e tentar reduzi-las a minha dermatologista da época sugeriu que eu tomasse a isotretinoína, que é um fármaco utilizado pela medicina no tratamento do acne severa ou da rosácea. Ele resolveu bem meu caso com as espinhas, porém ele deixa a pele mais sensível e como eu já tinha a pré-disposição e estava morando num lugar onde o índice UV é mais alto, eis que me surgiu os primeiros sinais do melasma, na testa, era uma mancha amarronzada de forma irregular, mas pequena ainda.

O tempo foi passando e a mancha aumentando mais e também ficando mais escura, dificultando escondê-la. Durante todo esse período estava sob o acompanhamento da dermatologista, passando protetor solar com fator de proteção alto e escondendo de todas as formas do sol.

No último ano também surgiram duas manchas bem pequenas e clarinha nas maças dos rosto, dos dois lados.

Durante todo esse tempo uso também fotoprotetores orais para ajudar na prevenção do surgimento de novas manchas e já passei vários clareadores, mas nunca obtive um resultado que clareasse realmente.

Os dermatologistas que já fui nesse período nunca indicaram fazer o clareamento com laser, pois temem piorar devido ao efeito rebote, ou seja, melhora no início, mas depois volta pior do que era antes do laser.

Segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia melasma é uma condição que se caracteriza pelo surgimento de manchas escuras na pele, mais comumente na face, mas também pode ocorrer nos braços e colo. Afeta mais frequentemente as mulheres, podendo ser vista também nos homens. Não há uma causa definida, mas muitas vezes esta condição está relacionada ao uso de anticoncepcionais femininos, à gravidez e principalmente à exposição solar. O fator desencadeante é a exposição  à luz Ultravioleta e mesmo à luz visível. Além dos fatores hormonais e da exposição aos raios solares, a predisposição genética e histórico familiar também influencia no surgimento desta condição.

Minha mãe teve melasma nas maças do rosto que só desapareceram após a menopausa, pois a influencia dos hormônios diminuem e o melasma também diminui, no caso dela eles desapareceram.

Ou seja, tive a influência genética e o fator desencadeante foi a exposição ao alto índice UV da região norte do brasil associado a maior sensibilidade da pele com o uso da isotretinoína, e também sempre tomei anticoncepcional o que aumenta a chance do surgimento do melasma.

Recentemente troquei de dermatologista e ele indicou fazer sessões de peeling para tentar clarear as manchas, fiz uma sessão esse mês, e até agora não senti nenhuma melhora. Vou fazer novamente no mês de dezembro e mostro se tiver algum resultado.

Vou deixar abaixo um vídeo que fiz mostrando o que estou usando na maquiagem de dia-a-dia para esconder o melasma.

Não se esqueça de se increver no canal do youtube e receber as dicas em primeira mão.

Gd beijo!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *